Agapornis

A partir do universo erotico-literário de Anaïs Nin, nasce esta obra teatral, exclusiva para maiores de 18 anos, num cruzamento entre marionetas, objetos e dispositivos cénicos, que convergem para uma inquietação interior do espectador, através do confronto direto com o tabu da sexualidade. Uma visão quase que cinematográfica das fantasias eróticas das diversas personagens femininas do imaginário de Anaïs Nin, que aqui ocupam o lugar central, representando a expressão sexual que habita nas suas obras literárias, sejam elas ficção ou realidade. AGAPORNIS. É uma ode à mulher, ao amor e à sexualidade.

“O sexo perde todo o seu poder, toda a sua magia, quando se torna explícito, abusivo, quando se torna mecanicamente obcecante. Passa a ser enfadonho.” Anaïs Nin

  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis
  • Agapornis


Agapornis

conceito 
Isabel Barros, Edgard Fernandes, Rui Queiroz de Matos

textos
Edgard Fernandes e Rui Queiroz de Matos, a partir de Anaïs Nin

encenação 
Edgard Fernandes e Rui Queiroz de Matos

marionetas e ilustração 
Júlio Vanzeler

figurinos 
Patrícia Valente

música 
@c (Pedro Tudela e Miguel Carvalhais)

desenho de luz 
Filipe Azevedo, Francisco Campos e Renato Marinho

interpretação 
Micaela Soares, Ricardo Ribeiro, Rui Queiroz de Matos e Vasco Temudo

produção 
Sofia Carvalho

operação de luz e som 
Filipe Azevedo

oficina de construção 
Sandra Neves (coordenação), Cláudia Armanda e João Pedro Trindade

construção cenográfica 
Josué Maia

confeção de figurinos 
Carla Pereira

design gráfico 
Pedro Ramos

fotografia de cena 
Susana Neves


download dossier     download dossier

 

Share this Project

Pedro RamosAgapornis