outubro, 2021

07out(out 7)19:0016(out 16)19:00O Julgamento de Ubu (m/12) - PortoTeatro Carlos Alberto

Mais

Mais informação

Em O Julgamento de Ubu, Simon Stephens pega no ditador megalomaníaco grotesco e
amoral do proto-surrealista de 1896 de Alfred Jarry no papel de Ubu e coloca-o diante
de um tribunal internacional do século XXI.
Bem mais de 100 anos após o trabalho vanguardista seminal O Rei Ubu de Alfred Jarry,
Simon Stephens apresenta uma sequela da peça de Jarry, escrita quando tinha 15 anos
e apresentada pela primeira vez em 1888 como uma peça de marionetas. Peça
desafiadora de um delinquente e, possivelmente, o texto fundador do teatro
experimental moderno e que abre o Julgamento de Ubu. Marcado em janeiro de 2010,
no Tribunal Criminal Internacional sediado em Haia, é o dia 436 do julgamento do
ditador Ubu. Sentado perante um Tribunal Internacional constituído pela ONU, é
acusado de Crimes contra a Humanidade e outras violações graves do Direito
Internacional Humanitário. Nesse processo, Ubu torna-se um símbolo dos ditadores
contemporâneos e são levantadas questões sobre a capacidade da lei de lidar com
crimes políticos.
A sátira virtuosística de Simon Stephens examina as muitas vezes absurdas disputas
jurídicas do sistema de justiça internacional. O Julgamento de Ubu é uma comédia
selvagem que interroga os pressupostos de um Tribunal enquanto luta para lidar com
réus que não apenas se opõem à moralidade da lei, mas existem numa dimensão moral
completamente diferente. Ainda assim, embora não haja como negar a importância da
revolta de Jarry contra as convenções naturalistas, ou o facto de que a sua linguagem
absurda escatológica ainda mantém um fascínio perverso, a puerilidade desancada
pode ser suficiente para enviar aos gritos pela saída, em busca de algo, qualquer coisa,
adulta para fazer: talvez o retorno do imposto.
Explorando a legitimidade e eficácia centrais do direito internacional, Stephens
pergunta como uma sociedade civilizada pode lidar com os perpetradores de crimes
indescritíveis e onde reside a legitimidade de qualquer tribunal internacionalmente
convocado. Tendo uma visão irónica e inteligente dos tribunais internacionais quando
reduzidos a altercações legais sem sentido e complicadas, esta peça é divertida, mas
inquietante, faz perguntas importantes sobre a justiça moral contra a justiça e a
futilidade do argumento fundamentado na presença de um malfeitor hediondo.

Hora

7 (Quinta) 19:00 - 16 (Sábado) 19:00

Local

Teatro Carlos Alberto

Rua das Oliveiras, 43, Porto

Organização

Teatro de Marionetas do Porto / FIMP / TNSJ

Estrutura financiada por

Links Sociais

Subscreva-me

* Campo obrigatório

APOIOS

Apoios Apoios Apoios
X