BICHOS DO BOSQUE

No bosque há, sei lá, mil árvores talvez.
E o vento nas folhas, de cá para lá a soprar,
parece sussurrar, era uma vez…
… uns bichos que falavam bichanês:
havia um crocodilo de coração mole
e um caracol-medidor;
havia um esquilo e também um grilo
e um castor que se fosse gente era doutor
e mais um corvo a armar ao cantor
e um anão com má disposição
e ainda o Teixeira, um texugo à maneira,
mais o urso grande e o seu filhote,
um ratito campeão de trotinete
e uma lagartona muito coquete.

Bichos do bosque são como nós,
são menos ou mais iguais;
dizem como nós dizemos “Olá, como vais?”
Parece que não mas têm idade, têm coração
sentem saudade, têm memória, são personagens
de uma história parecida com a vida.

  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
  • Bichos do Bosque
Bichos do Bosque
encenação, texto e cenografia
João Paulo Seara Cardoso

marionetas e ilustração
Júlio Vanzeler

música
Jorge Constante Pereira
“Balada dos Bichos do Bosque” interpretada por Manuela Azevedo

figurinos atores
Pedro Ribeiro

pintura
Emília Sousa

desenho de luz
António Real e Rui Pedro Rodrigues

produção
Sofia Carvalho

interpretação
Edgard Fernandes, Sara Henriques e Sérgio Rolo

assistente de encenação
Shirley Resende

operação de som e luz
Rui Pedro Rodrigues

assistente de produção
Pedro Miguel Castro

oficina de construção
Inês Coutinho, Luís Ternos e Rui Pedro Rodrigues

montagem de luz
Luís Ternos

construção de estruturas
Américo Castanheira, Tudo-Faço

confeção de figurinos
Cláudia Ribeiro – coordenação
Rosa Pinto – costureira
Joana Caetano – aderecista

montagem vídeo e animação
Grifu

acrílicos
Miguel Barbosa

fotografia de cena
António Real

agradecimentos
CACE Cultural, Balleteatro Auditório, Clã

espaço cénico
9m – boca de cena / 8,5m – profundidade / 6m – altura min.

luz
Dimmers digitais – 60 circuitos – Prot. Com. DMX512
Mesa de luz ETC Express 24/48 ( Mat. da companhia )
Varas de luz ( ver planta em anexo )

estruturas
4 torres laterais com 2m de altura

projetores
14 Proj. Recorte 1Kw 12/42
9 Proj. P.C. 1Kw c/ palas
17 Proj. Recorte Source four junior 25/50
12 Proj. Souce Four Par c/ palas e porta-filtros
2 Iodines 150W ( Mat. da companhia )
1 Par 36 ( Mat. da companhia )
Filtros: ( Mat. da companhia )

som
Sistema de amplificação stereo
2 monitores colocados no palco
1 Mesa de mistura
1 Leitor de CD duplo c/ auto-cue e comando destacável

vídeo
1 PC Portátil ( Mat. da companhia )
1 Projetor de Vídeo ( Mat. da companhia)

bastidores
3 Camarins individuais ou 1 coletivo

montagem
10 horas

staff necessário
2 carregadores para descarga e carga
2 Técnicos de luz
1 Técnico de som
2 Técnicos de palco

plano de trabalho

1º turno – 4 horas
Montagem:
Cenografia; Cena Negra; Luz; Som

2º turno – 4 horas
Afinação:
Cena negra; Luz; Som

3º turno – 4 horas
Ensaio Geral:
Luz; Som

notas: Para iniciar a montagem o palco e a teia devem estar limpos e sem quaisquer equipamentos.

duração do espetáculo: 65 minutos

classificação etária: maiores de 4 anos

menções obrigatórias em todo o material promocional do espetáculo:
Estrutura financiada por SEC/DGArtes (com inserção de logótipos)

Share this Project

Marionetas do PortoBICHOS DO BOSQUE